Please reload

Posts Recentes

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Em Destaque

Com prova de 300 km definida nas voltas finais, Werner Neugebauer e Sergio Jimenez vencem a abertura da Porsche Império GT3 Cup Endurance Series

28 Jul 2018

 

 

 

William Freire e Chico Horta levantam a taça na classe 3.8, com Alan Hellmeister e Luca Seripieri conquistando a 4.0 Sport

 

Com mais de 8 mil torcedores nas arquibancadas, paddock agitadíssimo e o grid com a lotação máxima de 30 carros, a Porsche Império GT3 Cup Endurance Series teve sua jornada de abertura em grande estilo com os 300 km de Interlagos.

 

No fim do dia quem sorriu foi a dupla do carro #8, Sergio Jimenez e Werner Neugebauer. Eles cruzaram a linha de chegada com menos de um segundo de desvantagem para o carro #7 dos poles Miguel Paludo e Beto Gresse -que foram punidos com 20s em seu tempo de prova e terminaram oficialmente em terceiro lugar, atrás também da dupla Ricardo Baptista e Lucas di Grassi.

 

Na classe 4.0 Sport a vitória foi de Alan Hellmeister e Luca Seripieri, os atuais campeões de endurance na classe Challenge.

 

William Freire e Chico Horta receberam a bandeirada em primeiro lugar na classe 3.8, e a vitória na classe 3.8 Sport ficou com Alan Turres e Gil Farah.

 

A prova teve ritmo de corrida de sprint, com pegas intensos em todos os pelotões. E os carros de corrida mais produzidos no planeta corresponderam com louvor: nenhum dos 30 veículos sofreu panes mecânicas durante a corrida.

 

A próxima jornada da temporada 2018 será de Sprint, no Velo Città  em 20 de setembro. O campeonato de Endurance retorna em Goiânia, para nova prova de 300 km em 13 de outubro.

 

 

 

A corrida

 

A corrida começou com a maioria das parcerias optando por largar com seus pilotos regulares, exceção feita a Ricardo Zonta, Alan Hellmeister, Lucas Foresti e Nonô Figueiredo, os quatro profissionais que partiram para o primeiro stint.

 

Na largada, os pilotos das filas pares se deram melhor, com Werner Neugebauer assumindo a liderança, ultrapassando o pole position Miguel Paludo em segundo. Logo na segunda volta, Alan Hellmeister teve contato com Ricardo Zonta, que rodou na Curva do Sol e perdeu posições. No giro seguinte, Lucas Foresti quase saiu da pista e precisou ir aos boxes após toque com Nonô Figueiredo, enquanto Ricardo Baptista e JP Mauro disputavam a quarta posição.

 

Paludo e Hellmeister se livraram de Neugebauer e passaram a disputar a liderança. Depois de pressionar muito, a liderança passou para o carro #31 na abertura da volta 18 com uma ultrapassagem de Alan sobre Miguel na freada do "S" do Senna.

 

Enquanto isso, na categoria 3.8, Diego Nunes liderava seguido por Maurizio Billi, Chico Horta, Paulo Totaro e Kreis Jr. ocupavam as primeiras posições na primeira meia hora de corrida.

 

Naquele momento já havia variáveis estratégicas. Daniel Schneider, por exemplo entrou nos boxes com dez voltas para dar lugar a Nelsinho Piquet, com o objetivo de permitir ao parceiro pegar pista mais limpa quando os demais competidores entrassem nos boxes para o primeiro revezamento. Já Nonô Figueiredo optou por estender sua janela antes do reabastecimento.

 

Depois de 20 voltas, a classificação da 4.0 apontava Hellmeister, Paludo, Queirolo, Nonô e Sylvio de Barros como os cinco primeiros, enquanto na 3.8 o top 5 era formado por Diego Nunes, Maurizio Billi, Kreis Jr., Pedro Costa e Matheus Coletta.

 

Depois das trocas de pilotos, a classificação da 4.0 se estabilizou com Betinho Gresse na ponta com o carro #7, à frente de Lucas Seripieri, Bruno Baptista, Vitor Baptista, Ricardo Zonta e Cacá Bueno. No entanto, o carro #31 acabou punido com um drive through por causa do contato entre Hellmeister e Zonta ainda no começo da prova.

 

Pouco depois da metade da corrida, Marcelo Brisac, que chegou a liderar a classe 3.8, ficou lento na pista depois do Laranjinha e teve um incêndio nos freios. Quem também teve problemas foi Paulo Totaro, que ficou parado no Bico de Pato. Faltando 30 voltas, a 3.8 tinha a liderança de Pedro Aguiar, seguido por Gil Farah, Marco Billi e William Freire.

 

Quando faltavam 20 voltas para o encerramento, a maioria dos líderes tinha apenas um pit stop a cumprir, mas as parcerias Rodrigo e Adalberto Baptista, Marcel Visconde/Fernando Fortes e Rodrigo Mello/Tom Filho assumiram momentaneamente as primeiras posições porque ainda tinham duas paradas a fazer.

 

Ou seja, na prática, Paludo era o líder porque tinha apenas um pit stop restante.

 

Já Rodrigo e Adalberto Baptista tiveram a estratégia comprometida porque numa das paradas ficaram um minuto a menos nos boxes do que os seis exigidos pelo regulamento. Com isso, eles tiveram de fazer uma parada a mais.

 

A dez voltas do fim, William Freire era o líder da 3.8, à frente de Marcelo Brisac, com Dennis Dirani em terceiro, e Gil Farah liderava na 3.8 Sport.

 

Depois que todas as parcerias igualaram o número de paradas, Gresse assumiu o carro #7 e voltou à liderança da 4.0, mas, com pneus desgastados, passou a receber o ataque de Sérgio Jimenez, que tinha pneus novos no carro #8.

 

Faltando cinco voltas para o fim, Jimenez tentou a ultrapassagem na Descida do Lago mas os dois carros se tocaram. Gresse seguiu na pista enquanto Sérgio rodou e perdeu tempo, mas manteve o segundo lugar na pista e voltou em alta velocidade para buscar a liderança.

 

Na última volta, Gresse recebeu a notícia de uma punição de 20 segundos, o que deu a vitória a Sérgio Jimenez e Werner Neugebeuer e o segundo lugar a Lucas di Grassi e Ricardo Baptista - Betinho e Miguel Paludo ficaram em terceiro.

 

Alan Hellmeister e Lucas Seripieri ficaram com a vitória na 4.0 Sport e o oitavo lugar no geral, enquanto William Freire e Gil Farah mantiveram o primeiro lugar na 3.8 (17º lugar no geral), assim como Gil Farah e Alan Turres na 3.8 Sport.

 

 

 

O que eles disseram:

 

"Essa prova não foi só minha, o Jimenez trabalhou muito bem desde a quinta-feira, o Guilherme Ferro também fez um baita de um trabalho, com uma estratégia perfeita. Fiz o que tinha de fazer e entreguei o carro onde tinha de entregar. Ele terminou com um baita ritmo no fim, e também fez a parte dele, e o o resultado do trabalho desde quinta-feira veio. Uma pena o toque no fim com o Betinho, mas foi bom que o resultado foi justo, a gente já tinha passado, o Jimenez vinha voando e foi o resultado que tinha de ser. Não tem como estar mais feliz"

 

 Werner Neugebeuer

 

 

 

"Em 2016 perdi o título por um ponto, em 2017 eu liderava até metade da corrida mas tivemos uma quebra, sou o maior vencedor do Endurance e estou muito contente com o resultado. Trabalhamos bem todo o fim de semana, sempre pensando no carro no fim, faltou um segundinho ou dois para sair em primeiro na foto, mas a disputa foi limpa, passei o Betinho, deixei espaço para ele mas bateu com a roda dianteira na minha traseira. A justiça foi feita e ganhamos merecidamente. Vamos ver se mantemos assim até o fim."

 

Sérgio Jimenez

 

 

 

"Quero agradecer o trabalho da Brandt, equipe e do pessoal do box. Acho que tivemos um fim de semana de bastante destaque, nos treinos quanto na classificação e durante a corrida, onde lideramos boa parte da prova. Infelizmente houve a punição e não concordamos, vamos recorrer. Fico triste com a decisão que foi tomada, foi um fim de semana positivo, disputando e conseguindo a pole em um grid muito qualificado. Acho que a decisão foi tomada de uma forma muito rápida, vamos tentar reverter a decisão e focar na próxima etapa."

 

Miguel Paludo

 

 

 

"Sem dúvida o fim de semana inteiro foi muito bom pra gente. Estávamos rápidos nos treinos, conseguimos a pole na classificação e nossa estratégia estava funcionando muito bem na corrida. Deixamos um jogo de pneu usado para o último stint e sabíamos que não teríamos um carro muito rápido, mas estava dentro do nosso plano. O Jimenez estava mais rápido que eu no final da prova, eu defendi a posição por dentro ele veio por fora e acabou acontecendo o toque. Esse toque me desequilibrou e acabou acontecendo um segundo toque, quando eu não tinha mais o controle do carro. Não concordamos com a punição e vamos recorrer do resultado, de uma forma geral fico feliz com o desempenho. Quero novamente agradecer a todos da equipe, Brandt e Bardahl e ao Miguel por me darem a oportunidade de disputar o Endurance."

 

Betinho Gresse

 

 

 

"A corrida foi muito boa. A largada foi meio confusa, consegui um ritmo bom mas perdi o carro na saída do s do Senna. Ali foi muito complicado, perdi muitas posições. O Willian foi muito bem no segundo stint. Nós combinamos de deixar o último stint para ele, e valeu muito e a pena pois ele andou muito. Se tivesse mais tempo de prova, ganharíamos mais vantagem ainda. Apesar da minha escapada conseguimos ganhar, foi muito bom”

 

Chico Horta

 

 

 

"Optamos por ele começar a corrida pois não adiantava eu ser voador no começo da corrida, sendo que teria muito transito. Isso valeu a pena mesmo ele dando essa escapada. Eu fui muito rápido na minha segunda entrada, saí de sétimo para primeiro. E corrida de Endurance é assim, uma hora a gente erra outra hora outros erram. Fiquei bem tranquilo e ainda consegui abrir mais vantagem. Valeu demais"

 

William Freire

 

 

 

"A corrida foi muito boa. Eu fiz os dois primeiros stints e o Lucas os dois últimos e conseguimos ir bem. O carro sofreu um pouco no calor com a temperatura subindo muito, mas no final deu pra controlar bem o carro e chegar em segundo lugar"

 

Ricardo Baptista

 

  

 

"Eu me diverti muito aqui, é um evento sensacional da Porsche. Estão todos de parabéns. Minha equipe Hero fez um trabalho excelente, conseguimos a segunda colocação mesmo não tendo o carro mais rápido hoje. Mas com um bom trabalho, sem erros, chegamos em segundo. Estou muito feliz pela Hero e muito contente de participar deste evento"

 

Lucas di Grassi

 

 

 

"Viemos aqui com o intuito de vencer na nossa categoria, éramos muito competitivos. Tem duplas muito boas e a missão era sentir como seria o nosso ritmo para disputar na geral. Viemos bem nos treinos e na classificação, o Lucas surpreendendo. Discordo da punição, mas fazer o que? Faz parte do jogo, vamos trabalhar ainda mais, sabendo que temos condição até no geral, vamos trabalhar para seguir na liderança em Goiânia e quem sabe vencer no geral"

 

Alan Hellmeister

 

 

 

"Conversamos sobre o ritmo e ninguém esperava um ritmo tão forte. Saí virando e isso foi o mais positivo de tudo. No meio do stint, recebi no rádio a informação de que teríamos de pagar uma punição. Isso mexe com a cabeça, pensei no que tinha errado, mas depois soubemos que foi algo no começo da corrida. Dado tudo que passou, vimos que temos resultado para ir pra cima e essa é a mentalidade"

 

 Lucas Seripieri

 

 

 <